Ações emergenciais para enfrentamento da estiagem terão mais R$15 milhões

A Coordenação de Defesa Civil (Cordec), órgão ligado à Secretaria de estadual de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (Sedes), vai aplicar mais R$15 milhões para buscar minimizar os efeitos da forte estiagem, que atinge boa parte do semiárido baiano. Os recursos serão aplicados na limpeza de aguadas, abastecimento de água através de carro-pipa e distribuição de cestas básicas. Os municípios que decretaram estado de emergência serão atendidos com as ações emergenciais. Na microrregião de Senhor do Bonfim estão incluídos Andorinha, Campo Formoso, Cansanção, Filadélfia, Itiúba, Jaguarari, Pindobaçu, Ponto Novo, além de Bonfim.
De acordo com o secretário de Desenvolvimento Social, Carlos Brasileiro, mais de R$5 milhões serão destinados à limpeza de aguadas. Os recursos foram disponibilizados através do Fundo Estadual de Combate à Pobreza (Funceb). Através de convênio com o Ministério da Integração, outros R$10 milhões serão destinados às ações, sendo R$ 6,4 milhões para abastecimento emergencial de água através de carro-pipa e R$ 3,6 milhões para distribuição de cestas básicas, inicialmente de 55 mil unidades. Cerca de R$3 milhões já havia sido investidos nos últimos meses. Com o prolongamento da estiagem, atualmente, 158 municípios baianos estão em situação de emergência, segundo dados da Cordec.
Ações duradouras – Em 2012, a Secretaria de estadual de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (Sedes) estima a implantação de mais 27 mil cisternas no estado, através de parceria com o Governo Federal. Os investimentos serão da ordem de R$ 60 milhões. Em 2011, foram 17,3 mil cisternas de consumo. Segundo o secretário Carlos Brasileiro, este ano, também está sendo implantado o Projeto Mais Água. Ele proporcionará a instalação, no semiárido baiano, de tecnologias para a captação, armazenamento e utilização sustentável da água da chuva para produção no campo. Serão investidos R$ 144 milhões, beneficiando cerca de 21 mil famílias, com a construção de cisternas de produção, barreiros trincheira, limpezas e aprofundamento de aguadas, barragens subterrâneas, tanques de pedra e bombas populares. (ASCOM/SEDES)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *